segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

A NOITE PRETA

E nesse ano a noite preta pega a porta
E arremessa contra a massa da parede
A ventania, canto, faca, tudo corta
A sombra torta estranha como a rede

Cabeça cheia como um saco de confetes
Pende dos ombros com serpentes e cabelos
E essa louca cobra, loura reluzente
Se enrosca no tronco do cotovelo

E refletidas no cubículo calado
Pulsam dilatam-se cadeiras que se movem
Brilham os ratos e bordados nos sapatos
Brilham insetos alimentando sapos

Nenhum comentário:

Videos

Loading...

Quem sou eu