terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

BIOGRAFIA

Em 3 de Outubro de 1949, na pequenina cidade de Brejo do Cruz, no sertão da Paraíba nasceu José Ramalho Neto, filho de Antônio de Pádua Pordeus Ramalho e Estelita Torres Ramalho, ele seresteiro e ela professora.
Morou em Brejo do Cruz até 1951 quando perdeu seu pai, que morreu afogado em um açude, e ai seu avô, José Alves Ramalho o pegou para criar, é dai que vem a pronúncia Avôhai (Avô e Pai), o próprio Zé nos fala que este nome lhe foi soprado por entidades extra-terrestres ou sensoriais 20 anos depois.
Foi criado também por sua avó Soledade e suas tias, Maria Madalena, que foi também sua primeira professora,Inês, Terezinha (Tetê), Zélia e pelo tio Nonato Ramalho.
Seu avô desde cedo o ensinou a amar os bichos e a natureza, a respeitar as pessoas e nunca passar por cima delas em hipótese alguma para poder atingir seu objetivos
Seu avô deu a todas as filhas formação superior e a seu neto lhe possibilitou que estudasse nos melhores colégios. Zé sempre gostou de estudar, e a partir do segundo grau é que começou a ter seus contatos musicais, primeiro com os violeiros da região, e familiarizado com os cordéis ele mesmo passou a compor músicas. E desde cedo ele gostou de literatura greco-romana, dai o fato de suas músicas serem sempre cheias de citações bíblicas e de mitos greco-romanos. Aprendeu com facilidade a escrever em decassílabos, dai começou a compor usando essa forma que é chamada de "Martelo Agalopado" pelos repentistas do Nordeste.
E o sonho de seu avô era que o Zé fosse o médico da familia.
Em meados dos anos 60 vai estudar em João Pessoa e ai começa a participar dos "conjuntos de baile" da Jovem Guarda. Suas influências eram: Renato Barros, Leno e Lilian, Roberto Carlos e Erasmo Carlos e o grupo Golden Boys no Brasil e Beatles, Rolling Stones, Pink Floyd e Bob Dylan do outro lado do Planeta Terra.
Para alegria da familia, principalmente do Avôhai ele entra para a Faculdade de Medicina.
Em 1971 tem seu primeiro envolvimento de vez com as mulheres, seu nome era Ísis, com quem teve seu primeiro filho, Christian Galvão Ramalho (1974). Porém este seu primeiro casamento não deu certo.
E pouco tempo depois ele também largou o seu curso de Medicina na Faculdade, o qual ele não levava jeito nenhum, pois quando via alguém machucado ficava muito nervoso, o que ficava muito difícil para o exercício da Medicina. Fato que magoou bastante o Avôhai, mas o mesmo não interferiu de jeito nenhum na escolha do neto pela carreira musical.
Em 1974 sai da Paraíba rumo à cidade maravilhosa com o intuito de engrenar de vez a sua carreira musical, levando a tiracolo uma seleção de músicas para gravar seu primeiro "acetato de mercúrio"
Lá fazia parte da banda de Alceu Valença também em inicio de carreira, com o show "Vou Danado pra Catende", na banda ele tocava viola, e neste show ele cantava uma composição de sua autoria (Jacarepaguá Blues)
E foi neste período que o Zé teve sua inicialização com as drogas, e em um destes seus shows havia consumido LSD, em sua "viagem" foi para o meio do palco fazer sua apresentação individual, e em vez de cantar a música que estava no roteiro (Jacarepaguá Blues), cantou outra música sua (Vila do Sossego), na hora houve muita confusão, os músicos não entenderam nada do que estava havendo, mas alguns ainda acompanharam e outros sairam do palco, e o público mesmo assim aplaudiu bastante a sua performance, mas só que Alceu Valença não gostou, e os dois discutiram no camarim, e na volta para o palco o Zé quebrou sua viola no palco, no meio do show, só que o público novamente aplaudiu pensando que fazia parte do show, e tal fato resultou no rompimento da parceria dos dois.
E um ano depois o Zé vai ao teatro assistir a outro show do Alceu (Espelho Cristalino), e para surpresa do Zé a primeira música do show é Vila do Sossego, o que lhe emocionou bastante, pois essa música fazia parte do roteiro do show.
Em 1974 Zé lança seu primeiro Disco (Paêbiru) juntamente com Lula Côrtes, Paulo Rafael, Geraldo Azevedo e Alceu Valença pela Gravadora Rozenblit da cidade do Recife com o selo Mocambo, onde toca vários instrumentos, o disco é dividido nos elementos, Água, Terra, Fogo e Ar. Este disco foi gravado em 2 canais e falava na Pedra do Ingá, um rochedo coberto de misteriosas e indecifrada inscrições. Este album nunca foi lançado comercialmente e a grande maioria das cópias foram engolidas pelas águas do Capibaribe na enchente de 1974.
Neste tempo a vida para ele era muito difícil, chegando mesmo a dormir na praça (literalmente) e trabalhava em uma gráfica.
Neste mesmo ano participa da trilha sonora do filme "Nordeste: Cordel, Repente e Canção" da cineasta Tânia Quaresma. A cineasta queria que o Zé fosse o diretor musical do documentário. Ele foi à caça de cantadores e violeiros da região para a escolha do material do filme e com isso acendeu a paixão pelos cantadores nordestinos.
Em 1976 participa de um Disco Compacto Simples (Réquiem para o Circo) onde ele declama um texto. Era com o Grupo Ave Viola do compositor paraibano Dida Fialho.
Em 1977, contatou com o produtor Augusto César Vanucci e este lhe convida a participar da gravação do disco "Dez Anos de Vanusa", onde toca viola na música Avôhai.
E neste mesmo ano ele assina contrato com a CBS e lança o disco com seu nome e o carro chefe deste disco é a música Avôhai que já era sucesso na voz de Vanusa.
Em 1978 ele ganha projeção nacional com o disco "A Peleja do Diabo com o Dono do Céu", onde o carro chefe é a música Admirável Gado Novo. E neste mesmo ano ele conhece Amelinha com quem passa a viver maritalmente e ela grava o sucesso Frevo Mulher, os dois fazem uma turnê para divulgar o trabalho dos dois.
Com Amelinha tem dois filhos João Colares Ramalho e Maria Colares Ramalho.
Em 1980 ele participa do Festival MPB 80 da Rede Globo de Televisão com a música Hino Amizade, esta música fica entre as 20 finalistas e Amelinha fica classificada em 2º lugar com a música Foi Deus quem fez Você, esta música é de autoria de seu primo Luiz Ramalho.
Em 1981 lança o disco "A Terceira Lâmina".
Em 1982 lança o disco "Força Verde", um disco recheado de polêmicas, neste disco foi acusado de plágio do artista irlandês William Yeats. Na música Pepitas de Fogo ele diz que a inspiração veio da capa do disco de Pink Floyd, onde um homem carrega uma mala cheia de figuras, dai os versos "as figuras do mundo vão levar". Em Força Verde, a inspiração veio de uma revista de quadrinhos do "Incrivel Hulk". Alguns versos da música fazem parte da história contada pelos quadrinhos, mas ele nunca ia imaginar que os versos eram do poeta irlandês, fato pelo qual ele não deu créditos. Essa acusação não chegou a ser formal, pois os advogados da revista Marvel Comics se retrataram por não terem dados eles próprios os créditos devidos. A maior acusação veio da midia, neste tempo o apresentador de TV Flávio Cavalcanti, em um dos seus quadros chegou a quebrar o disco do Zé e jogando-o ao lixo disse: "Roubou, tem que pagar."
Mas uma acusação dessas abalou muito a vida e a sua carreira e neste mesmo tempo Amelinha o largou e ai ele se entregou de vez às drogas principalmente à cocaina, e com este vicio ele chegava a compor 3 músicas em seguida com a euforia da droga.
Zé só vai se levantar com a chegada em sua vida de Jorge Mautner, ele chega em seu apartamento e lhe diz que tem uma música que é a sua cara.

"Você é a orguidea negra
que brotou da máquina selvagem
e o anjo do impossivel
plantou como nova paisagem (...)
Parece até a própria tragédia grega
da mais profunda melancolia,
parece a bandeira negra
da loucura e da pirataria."
Logo ele se identifica com a música que foi feita para ele e ai começou o projeto de seu 5º disco que ia levar o nome da música do Jorge Mautner, era "seu quinto mar de sons, sonhos e poemas. O sono acabou".
Neste disco teve as parcerias de Maria Lúcia Godoy, Fágner, Robertinho do Recife, A Cor do Som, Osmar (Trio Dodô e Osmar) e Egberto Gismonti.
Mas apesar destes grandes nomes o disco não teve o sucesso esperado, tanto da critica como do público.
E em 1984 ele veio todo remoçado, mudou de estilo musical e de estilo visual, fez a barba e cortou os cabelos para lançar o disco "Pra não dizer que não Falei de Rock ou... Por aquelas que Foram bem Amadas", neste seu novo trabalho exalta o rock'n'roll anos 60. E novamente o disco não faz sucesso e muitos criticos e o grande público falava que o Zé tinha se rendido ao "sistema", pois diziam que ele tinha feito apenas músicas comerciais, o que de certa forma era mentira pois ele não fez nada disso, que o diga as músicas O Tolo na Colina em parceria com Erasmo Carlos e a música Dogmática que são puro protesto.
E em 1985 lança outro disco com o nome "De Gosto, de Água e de Amigos", que novamente não emplacou. Neste mesmo ano ele fez sucesso com a música Mistérios da Meia-Noite, da trilha sonora da novela da Globo (Roque Santeiro), esta música foi incluida na segunda tiragem do disco e em um LP duplo.
Em 1986 lança o disco "Opus Visionário", que vem recheado de misticismo, bem ao estilo do que conhecemos do Zé.
Em 1987 sai o disco "Décimas de um Cantador", último disco pela CBS, neste disco ele se revela um tanto cansado e o estranho é a capa, ela sai com seu nome como se fosse escrito com cocaina, e ela já amostrava no Zé, foram 6 anos de intenso consumo e ela já havia afetado a mucosa do nariz que sempre sangrava, fora as náuseas que eram constantes.
Até que um dia com o seu canudinho na mão ele lembrou da terrivel sensação que sentiria e concluiu que o êxtase causado por "ela" não valia a pena, e ai ele decidiu dá um basta. Ele não quis se internar em uma clinica de dependentes, e resolveu se tratar em casa mesmo juntamente com sua mulher Roberta, ficou cerca de um mês só tomando remédios e descansando, em sua pele já apareciam algumas feridas que eram conseqüências do sangue intoxicado, este tratamento foi muito doloroso para toda a familia. Neste retorno à vida ele deveu muito à Roberta que lhe deu muito apoio durante todo este periodo de desintoxicação. Roberta chegou em sua vida em 1980, prima de Amelinha e claro sua fã, ele lhe viu pela primeira vez em seu camarim logo após um show e logo ele a convida para conhecer a "cidade maravilhosa".
Quando Roberta Fontenele Ramalho entra de vez para a vida dele ela assume o posto de empresária do marido.
E o primeiro filho vem no ano de 1992 (José Fontenele Ramalho) e em 1995 vem ao mundo (Linda Fontenele Ramalho).
A caçula da familia segundo os médicos deveria ficar em uma incubadora, mas ao ouvir a voz de seu pai ela abriu imediatamente os olhos e lhe mostrou que já estava pronta para a batalha pela vida. Zé sempre diz que a "voz das trevas" como era conhecida sua voz na verdade trouxera luz à sua Linda.
E em 1990 já de casa nova (Sony) lança o disco "Brasil Nordeste" onde ele canta forró, este disco faz parte da série Academia Brasileira da Música.
Em 1992 volta a ter projeção nacional com a novela "Pedra sobre Pedra" da Rede Globo, foi convidado pela emissora para gravar um tema especialmente para esta novela, "Entre a Serpente e a Estrela" versão Aldir Blanc, esta música é um dos seus hits até hoje apesar de não ser de sua autoria, esta música foi incluída depois em seu disco Frevoador.


12 comentários:

hozorio disse...

eu hozorio fernandes músico ,( cantor e compositor)em Natal RN, sou fã número um desse magnifico artista desde o começo da sua brilhante carreira.algumas das suas canções estão no meu repertório nos meus showus. parabéns garoto.

LuizC disse...

sua poesia sempre me encantou e motivou a trilhar caminhos parecidos... parabéns pelo relato com bases fortes.

djakson2011 disse...

Eu desde criança sempre me inspirei no Zé Ramalho,nunca usei drogas,as suas musicas é uma coisa extraordinaria que passa de geração prá geração.Cada musica é uma mensagem que nos fortalece que nos incetiva a lutar pelos nossos ideais,espero um dia conhecer pessoalmente este cantou e compositor a quem sou seu maior fan.Zé voce vai estar sempre em nossas memorias, em minha opinão é uma lenda viva.

Julmar Moreira Barbosa. disse...

Quando eu tinha 12 anos ouvi e assiti pela primeira vez ZÉ RAMALHO cantando JACAREPAGUÁ BLUES.Foi em uma fita cassete em paralelo com um projetor superoito.
O SHOW se passava no teatro TEREZA RAQUEL.O dono dos equipamentos me disse: (_ESSE CARA VAI EXLODIR, AGUARDE.)
Dois se passaram e eu fui convidado A assistir a um SHOW em escola local.Quando o artista entrou no palco reconheci imediatamente.Era o ADMIRÁVEL,José Alves Ramalho Neto.
Desde de então acompanho sua discográfia_tenho todos os LPs,exeto o "PAÊBIRU"_e todos os CDs.
É o heroi de minha juventude!Sonho conhecê-lo pessoalmente.

magno lima disse...

sua muisica consegue ter regionalidade, e universalidade, coisa que é muito dificil de se encontrar no mesmo artista, e o ze remalho, pra mim e um dos maires artistas mundiais, ou seja deixou de ser um cantor e compositor para ser uma referencia musical,ele nos mostra que o brasil não e simplismente o pois do futebol, e o pais onde nasceu ZE RAMALHO!

magno lima disse...

a musica de ZE RAMALHO,e caregada de regionalidade, mais ao mesmo tempo pode se dizer que e uma musica universal,e muito dificil reunir essas duas qualidades no mesmo artista,e o ZE RAMALHO, deixou de ser um cantor e compositor, e se tornou uma referencia musical das mais ricas, mostrando assim que o BRASIL não e o pais do futbol, e sim o pais onde nasceu esse extraordinario artista visionariochamado ZE RAMALHO!!

luis disse...

A Biografia está muito correta, estamos aguardando a atualização até o ano de 2012. Abraços.

everaldo Xavier disse...

Sou nordestino gosto muito de suas letras mim endentifico muito com esse seu lado místico queria aprender mais sobre você !

manoela sodre disse...

um nome extraordinário no ramo musical brasileiro, um grande músico ...

Prentice Mulford Neto disse...

Escuto Zé Ramalho desde que nasci, hoje tenho 33 anos e suas músicas fazem parte da minha vida, não tem um dia sequer que eu não cante, sempre que posso vou aos shows em São Paulo, e tenho muito orguho em dizer que sou super, hiper fã deste cara.
Da-lhe Zé..
Sempre.

Igor Freitas disse...

so adimiradora incondicional de ZE RAMALHO,ouço suas musicas sempre,ela e minha grande inspiração,desde adolecente sou e admiradora,tenho todos os seus cds e poster.seu rosto é fundo de tela de meu notbook e celular.sou uma eterna apaixonado po este MITO.meu maior sonho e um dia poder ve-lo e abraça-lo.apesar de nao perder nem um de seus shows em minha regioa.cada show emoção diferente.amo incondicionalmente este taleto.me deixe te ver de perto.sou professora como sua mae.

elizabete Freitas disse...

so adimiradora incondicional de ZE RAMALHO,ouço suas musicas sempre,ela e minha grande inspiração,desde adolecente sou e admiradora,tenho todos os seus cds e poster.seu rosto é fundo de tela de meu notbook e celular.sou uma eterna apaixonado po este MITO.meu maior sonho e um dia poder ve-lo e abraça-lo.apesar de nao perder nem um de seus shows em minha regioa.cada show emoção diferente.amo incondicionalmente este taleto.me deixe te ver de perto.sou professora como sua mae.

Slides

Loading...

Videos

Loading...

Quem sou eu