quarta-feira, 2 de junho de 2010

Forró Para Dar e Vender

A produção fonográfica de época não deixa dúvidas: São João chegou. Alguns artistas não precisam necessariamente da data para cantar. Mas aproveitam a festa para vender produtos especiais. É o caso de Zé Ramalho, que regrava Jackson do Pandeiro num álbum que passa longe dos típicos CDs tributo.



Ou seja, produzido com esmero nos arranjos, interpretações e participações. Tanto que faz o registro parecer seu mais novo disco de carreira. O pernambucano Ed Carlos vai no mesmo caminho, reproduzindo o maior nome do cancioneiro nordestino, Gonzagão, num álbum que foi lançado em 2008, mas que ele reedita agora. O balaio do forró é grande e também abriga artistas que lançam disco apenas para dizer que estão na ativa, com seus respectivos shows. Esses discos não são comerciais. São confeccionados em embalagem simples e vendidos apenas durante os shows. É o caso de Novinho da Paraíba e Forró Culé de Xá, comentados também nessa página.

Zé e Jackson - Zé Ramalho canta Jackson do Pandeiro deixando a impressão de que mais ninguém o faria com tanta personalidade. É uma tentação para qualquer cantor chegar perto do que fazia Jackson, sublinhando suas divisões e sincopados marcantes. Zé tem sua própria marca vocal e não precisa tomar emprestado os recursos do outro. Canta à sua maneira clássicos do forró sambado de Jackson, a exemplo de Forró na gafieira, o Canto da Ema, além de um medley com Sebastiana, Um a um e Chiclete com banana. Zé se permite, inclusive, em Chiclete com banana, fazer as mesmas estripulias vocais, numa versão que acaba num samba danado, com pandeiro e a sanfona de Waldonys, produtor da faixa. Metade do repertório do CD (o disco tem 12 faixas) é inédita na voz de Zé. A outra metade foi retirada de fonogramas de discos anteriores.

Dirigido pelo jornalista Marcelo Fróes, dono do selo Discobertas, as músicas trazem arranjos bem diferentes do original, o que as aproxima do universo de Zé Ramalho, que considera Jakson a "segunda coluna do templo da música nordestina". Sendo o primeiro, claro, Luiz Gonzaga. O álbum, segundo Zé Ramalho, "orgulha pelo conteúdo e fé". De fato, além das canções mais conhecidas e animadas de Jackson do Pandeiro, o tributo resgata músicas lentas e contundentes, que Jackson assinou com parceiros.

Entre essas últimas, Lamento cego (com Nivaldo Lima), que abre o CD, e a cantoria Ele disse (de Edgard Ferreira, gravada por Jackson), que traz trecho de um pronunciamento de Getúlio Vargas, de 1º de maio de 1951. Há também as canções mais conhecidas do cancioneiro de Jackson, que Zé reiventa. Entre elas, a Cantiga do sapo e Casaca de couro, com a sanfona de Sivuca. Um luxo só.

Quadro-negro, outro grande sucesso, tem andamento mais lento, assim como o forró Cabeça feita. Se uma das maiores heranças de Jackosn foi justamente seu modo de cantar diferenciado, sendo ele interpretado por Zé Ramalho (outra "grife" vocal), o grande mérito da obra só adquire mais valor.

Nenhum comentário:

Videos

Loading...

Quem sou eu